JARDIM DIGITAL W4LKER

NOTAS E IDEIAS

o fim do álcool

criado em: 14:04 15-12-2022

Relacionado

Eu to interessado em temas como esse de pesquisa sobre álcool justamente porque não bebo há meio ano e não sei se essa é uma situação sustentável. Minha espoa não bebe oq ue me ajuda — não ter dinheiro tambem mé ajuda, mas fazer o certo pelos motivos errados não é necessariamente uma coisa boa. O verdadeiro motivo para não beber, especialmente para mim, é que eu gosto de esportes (tá, não esportes, mas pedalar) e eu gosto de liberdade. Eu gosto de criatividade também, e temo não ser mais criativo em breve, mas é preciso saber porque eu quero ser criativo também. Eu não estou meditando, uma coisa que normalmente me ajudaria a ser mais criativo e influenciaria positivamente o processo de sobriedade — e é esse o ponto principal, a saber, que se trata de um processo de sobriedade mais do que um processo de economia de dinheiro — embora eu esteja economizando mais esse não é o mais importante.
Não beber esse tempo todo para mim significou simplesmente que não tenho ressacas — meu corpo se recupera melhor de exercicios e de noites mau dormidas. Sexo ficou melhor e humor, embora ainda seja um caminho a percorrer, também pareceir para um lugar melhor.

fonte na wired

O artigo explora o uso do termo "alcoólico" e suas implicações. Discute a história do termo e seu uso em tratamentos tradicionais de 12 passos para o vício do álcool. O autor sugere que o termo é problemático porque conflita o problema de um indivíduo com o álcool com seu caráter, e argumenta que seria mais preciso descrever o consumo excessivo de álcool como uma doença do que como uma falha de caráter. O artigo também examina o aumento de tratamentos alternativos para o vício em álcool e a crescente tendência de sobriedade entre os jovens.

  1. A palavra "alcoólatra" é um portmanteau grosseiro e tem caído em desuso com os não-bebedores de marquise.
  2. Os tratamentos tradicionais de 12 passos para o vício do álcool muitas vezes representam os bêbados inveterados como tendo uma orientação excêntrica para mentir, trapacear, roubar, vangloriar-se e ser mal-educado.
  3. O modelo do alcoolismo do século 20 carece de marcadores biológicos claros, levando à confusão sobre se se trata de uma doença ou de uma ideologia.
  4. Novos tratamentos para a dependência do álcool estão surgindo, incluindo terapia psicodélica, que tem se mostrado promissora nos primeiros estudos.
  5. O estigma cultural em torno do vício em álcool pode estar diminuindo, já que mais pessoas estão abertas sobre suas lutas com sobriedade e buscam ajuda.